Header Ads

Amanda descarta luta com Cyborg: “Quero ver ela campeã”

____________________________

Amanda descarta luta com Cyborg: “Quero ver ela campeã”


Após atravessar a melhor fase de sua carreira durante o ano de 2016, onde conquistou o cinturão peso-galo feminino no UFC 200 derrotar Miesha Tate, e defender pela primeira vez o título ao nocautear a ex-campeã Ronda Rousey em 48 segundos, em dezembro no UFC 207. Amanda demonstrou interesse em migrar de categoria, assim que o duelo entre Holly Holm e Germaine de Randamie foi anuncio pela inauguração da categoria peso-pena para mulheres.

Na época a brasileira Cris Cyborg se encontra suspensa de competição devido à possíveis violações na política antidoping da USADA, órgão que monitora a organização. Porém, agora que Cyborg volta à ativa, Nunes parece ter perdido o interesse.

Em entrevista, disse:

“Não tenho a intenção de lutar com a Cris. Minha intenção era lutar com elas [Holly Holm e Germaine de Randamie], que eram da minha categoria. Mas a Cris está voltando e com isso não tenho interesse de subir. Ela vai ser campeã, quero ver ela campeã. Para lutar com ela teria que fazer trabalho de subir de peso e ganhar massa muscular. Eu já sou uma 135 pounds [peso-galo] pequena. Para fazer um trabalho desse eu precisaria de no mínimo um ano. Um trabalho de ganha de massa e de força”.

Porém, em fevereiro Cyborg foi inocentada das acusações. Recebendo uma isenção no caso, automaticamente estando apta para lutar novamente. Logo após conquistar o cinturão dos penas sobre Holm no UFC 208, De Randamie declarou que precisará fazer uma cirurgia nas mãos e talvez ficará um tempo afastada. Mas Cristiane Justino como próxima desafiante ao título da divisão até 65kg feminina é questão de tempo.

Sobre o caso, Amanda comentou:

“Isso foi o que eu falei [na época]: ‘Essa categoria é da Cris, mas ela caiu no antidoping’. Daí subiram duas meninas do 135 pounds. Uma vinha de duas derrotas e a outra nem no ranking estava. Subiram as duas pelo cinturão e a campeã [Germaine de Randamie] é a menina que eu já venci. Pedi para subir porquê eu posso ser campeã em duas categorias. O meu ponto de vista é que eram duas atletas da minha categoria e porque a Cris não estava na jogada na época”.


Fonte: AG. Fight