McGregor: "Não acho que eles vão tomar meu cinturão"

____________________________

McGregor: "Não acho que eles vão tomar meu cinturão"


Conor McGregor chegou de muleta à coletiva de imprensa pós-UFC 202. O irlandês, que derrotou Nate Diaz na luta principal do evento, disse que estava sentindo a canela e foi transportado para o hospital logo após falar com os jornalistas.

O lutador, no entanto, disse que estava bem:

"Estou sentindo a canela...eu chutei o joelho dele no terceiro round e estou sentindo agora. Tirando isso estou bem".

Apesar de Dana White ter dito durante a semana que, perdendo ou ganhando, McGregor voltaria para a divisão dos penas e, caso não fizesse isso, poderia perder o título, o lutador deixou claro que não pretendia lutar pela unificação do cinturão da categoria na sequência.

"Não acho que eles vão fazer isso comigo. Não acho que vão tomar meu cinturão. Não acho que eles vão querer dar o meu cinturão para o cara que eu nocauteei em 13 segundos e enterrar aquela divisão nas lutas preliminares do Fight Pass. O que isso faria para a divisão, se o cara que eu nocauteei em 13 segundos for o campeão? O que isso te diz? Teremos que falar sobre isso, mas estou em uma posição linda agora, e quero capitalizar. Não sei o que vem depois, mas tem muitas possibilidades. Aguarde!" - declarou.

Sobre a luta principal do UFC 202, o "Notório" se declarou de alma lavada, especialmente por ter provado a todo mundo que duvidou que poderia se superar:

"Essa foi uma luta muito importante para mim. Todo mundo, a imprensa, os lutadores, todo mundo me tirou dessa. Disseram que eu iria perder, tentaram tirar o crédito de eu estar subindo de peso novamente. Ele estava mais de 13 kgs mais pesado do que eu, estava muito mais pesado do que da última vez. Foi uma luta incrível. Eu tinha mais habilidades do que o Nate, mas ele é um filho da p*** muito forte. Ele estava com a cara destruída, mas ainda estava andando para frente. Eu aprendi com a última luta, tentei ser paciente, ficar calmo, sabia que cedo ou tarde ele teria aquele momento em que me deixaria iria entrar limpo na cara dele. Acertei golpes no corpo, no seu rosto. Sou muito agradecido ao meu treinador e ao meu time por tudo. Tive um time muito forte e estou muito feliz com tudo. Foi uma preparação muito dura. Não foi fácil, foi uma guerra, mas estou feliz que foi assim. Pude mostrar que tenho coração lá dentro" - finalizou.

Fonte: Combate



Share on Google Plus

About Writer

UDMM - Mundo das Lutas - Eventos do UFC, Notícias e muito mais - Desde 2014.