Hunt ataca UFC: “Enchem o bolso com nosso sangue!”

____________________________

Hunt ataca UFC: “Enchem o bolso com nosso sangue!”


 O lutador peso-pesado Mark Hunt soltou em seu site oficial um depoimento revoltado, no qual disparou críticas pesadas ao UFC. O “Super Samoano” acusou a organização de tomar decisões arbitrárias e, ainda por cima, ganhar dinheiro às custas do sangue dos atletas. Confira o que disse o lutador:

“Vejo que o doping de Brock Lesnar é só mais uma razão pela qual precisamos de uma associação de lutadores. Esses caras estão criando as regras do jeito que querem. Primeiro, com o lance da Reebok, depois com a liberação a Brock dos quatro meses de testes. Conor [McGregor] foi retirado de um card por não comparecer a uma coletiva que nem eu, nem Brock iríamos. Resolvam isso. Provavelmente há um monte de outros [problemas].

 Eles dizem que estão limpando o esporte, e, mesmo assim, arrisquei minha saúde por duas vezes contra caras que estavam trapaceando desde que a política da USADA [Agência Antidopagem dos Estados Unidos] começou. Me disseram que Brock seria testado quando aceitei a luta, mas ele aparece todo bombado. Depois, descubro que ele caiu no teste depois que o pay-per-view já havia sido vendido.

 Esses caras estão enchendo seus bolsos com nosso sangue. Quero dizer, eles merecem ser pagos, sem dúvida. Eles transformaram o UFC, que era nada, ao que é hoje. Mas a maioria dos caras que lutam não recebem nada ou não têm benefício algum.

 O grande sentido desses testes de quatro meses deveria ser garantir que ninguém apareça dopado até os pulmões e dê uma surra nos caras que estão limpos. Eu estou limpo e fiz testes neste tempo inteiro. Para os lutadores que estão lendo isso, quero que eles entrem em contato comigo por minha página no Facebook para nós iniciarmos as coisas. Não vou citar nenhum nome até que tudo esteja resolvido, mas entrem em contato comigo e vamos fazer isso acontecer.”



Share on Google Plus

About Writer

UDMM - Mundo das Lutas - Eventos do UFC, Notícias e muito mais - Desde 2014.